Aníbal Diniz anuncia obras de 428 quilômetros nas BRs 317 e 364

O vice-presidente do Senado Federal, Aníbal Diniz (PT), anunciou nesta sexta-feira, 19, que o Governo Federal se sensibilizou com a necessidade de recuperação das BRs 317 e 364, algo que não acontecia desde meados da década de 90, e que obrigava o Governo do Estado a promover medidas paliativas para evitar a destruição total dessas rodovias.

“Nós pedimos e o ministro Paulo Passos (Transportes) atendeu com uma liberação de R$ 135 milhões para a recuperação da BR-364, no trecho entre Rondônia e Sena Madureira e da BR-317, do município de Senador Guiomard ao quilômetro 52 do trecho entre Brasiléia e Assis Brasil, na chamada estrada do Pacífico”, afirmou Diniz, no programa Gazeta Entrevista, apresentado pelo jornalista Alan Rick, que vai ao ar na noite desta sexta-feira, 19.

No total, serão recuperados 428 quilômetros ao longo de 2013 e 2014.
Ele manifesta contentamento com relação à ajuda da Força Aérea Brasileira, que levou em avião, 25 estudantes do Instituto de Educação Federal do Acre, o Ifac, para um congresso norte e nordeste de iniciação científica em Palmas, no Tocantins. Todos eles já desenvolvem trabalhos científicos, em Rio Branco e no interior, nas áreas de biologia, agricultura e de saúde.

Mensalão – Perguntado sobre o qual a sua avaliação sobre o julgamento do “mensalão” pelo Supremo Tribunal Federal, o senador afirmou que o “STF está cumprindo o seu papel, embora em período eleitoral, um período conturbado”.
“O que eu diria da ação penal 470, conhecida por mensalão, é que o mais frustrado de todos foi o PSDB, porque pensavam que seria um estrago nas costas do PT (nestas eleições)”, afirma. “Mas o eleitor tem muita consciência e o PT foi o mais votado no País”.
“Tanto que o PT ganhou em 625 cidades, e que antes eram 550. Em 22 delas, chegou ao 2º turno das 80 cidades que tiveram segundo turno”, justifica Diniz.

Em São Paulo, Aníbal Diniz diz que o Lula “conduz a eleição com punho firme”, na medida em que (Fernando) Hadad (ex-ministro da Educação) lidera as intenções de votos em pesquisa.
“O que vemos lá comparando com aqui é que o Lula apostou no novo assim como estamos aqui apostando no novo e o Marcus Alexandre chegou como o mais votado. Nem o Jorge, nem o Angelim tiveram mais votos”, avalia Aníbal Diniz.